LOGIN

A voz de um campeão

Entrar em campo representa para nós, quando realizamos um trabalho de Alta Performance, algo semelhante a pilotar um avião. Preparamos, usamos listas de verificação antes (e após) do jogo e enquanto ele decorre usamos os controladores.

Um desses controladores é a voz interna, aquela que vive dentro da nossa cabeça e que constantemente debita informação. Qualquer coisa que aconteça ou que não aconteça dentro de campo, serve de gatilho para a acionar.

Esta voz tem tanta influência no desempenho de um atleta que é capaz de ser responsável por um jogo brilhante, enquanto em outras ocasiões dita um jogo desastroso. Aprender a usar este controlador a nosso favor é essencial e deve ser trabalhado. Se um jogador quer obter desempenhos de excelência, aumentar a sua confiança dentro de campo, manter os níveis de energia e gerir o cansaço, precisa de saber usar a sua voz interna. Esta é a voz que nos guia durante os nossos dias, é a voz que nos envia para a esquerda ou para a direita, que nos faz arriscar ou atrasar um passe, que nos faz rematar ou procurar a assistência, que nos faz sair da baliza ou ficar entre os postes, que nos diz para antecipar o movimento ou para esperar. Esta voz controla todos os movimentos e ações, precede todas as decisões que são tomadas em campo.

Um famoso psicólogo tem uma frase muito interessante sobre este assunto: “Pára de te ouvir e começa a falar contigo!”. Os jogadores que realizam este tipo de trabalho, sabem da importância de planear todo o seu discurso interno; em vez de se ouvirem depois de um cruzamento despropositado, de um remate ao lado ou de uma perda de bola, iniciam imediatamente uma conversa interna que ocorre entre as suas duas orelhas que evita que a confiança diminua, que a crença seja abalada, que o talento se evapore, que a energia desapareça. Este discurso interno é extremamente poderoso e tem a capacidade de suster a sua energia durante os 90 minutos, manter e elevar os níveis de confiança independentemente do que está a acontecer em campo, e colar o jogador ao seu ‘script’ de jogo e executá-lo na perfeição.

A excelência no futebol não tem apenas a ver com a capacidade de usar os pés, mas também tem origem naquilo que acontece dentro da cabeça de um jogador enquanto ele procura executar com os pés. Os campeões são mestres no uso da voz, o seu discurso interno é poderoso e, em alguns casos, ele salta para o exterior: há quem os ache arrogantes, outros entendem a força mental que um discurso destes possibilita na cabeça de um jogador.