LOGIN

Trabalhar a mente – Jornal Record

Todos os jogadores têm uma situação desejada em mente, um sonho ou simplesmente pensamentos sobre o melhor cenário para as suas vidas profissionais.

Quem transforma isto num objetivo está mais perto de o concretizar do que aqueles que se dedicam apenas a pensar nisso, a sonhar e a viver o dia a dia. Ao mesmo tempo que os jogadores imaginam a situação ideal, o clube ideal, o contrato ideal, também imaginam muitas vezes que tipo de jogador seriam nessa altura.

Alguém que gostaria um dia de jogar num clube de topo, também imagina a transformação que teria de fazer para poder jogar a esse nível. Mas nem todos ambicionam chegar ao topo – eu diria até que a maioria pensa é apenas melhorar a sua situação profissional de época para época. Independentemente da ambição, quando se trata de crescer, é importante aprender como podemos potenciar este crescimento.

A situação atual, clube atual, o treinador atual, a equipa atual são o veículo que permite a um jogador chegar onde deseja. Muitos não veem isto como um veículo mas sim como a sua condição.

Quando o jogador vê o contexto atual como o veículo para chegar onde quer, começa a usufruir de uma sensação de controlo sobre a sua vida. Vejo muitos na expectativa de que o contexto lhes forneça as condições para evoluírem, que o treinador lhes dê a oportunidade, que o clube lhes proporcione a conjuntura perfeita, que os colegas contribuam para a sua performance e golos, que os media os acarinhem e promovam a sua imagem… Enfim, esperam que de fora venha aquilo de que eles precisam para crescer.

Não percebem, porém, que a forma mais fácil e mais rápida de mudar as circunstâncias é tomar as rédeas da situação e começar a exigir mais de si próprio. Este olhar para dentro, esta autorresponsabilização, leva um jogador a trabalhar a melhor versão de si próprio, o que em última análise vai promover o alcance dos seus objetivos pessoais e contribuir para os objetivos coletivos, bem como para toda a sua rentabilização enquanto ativo transacionável.

Susana Torres  –  Coach de Alta Performance