LOGIN

Mudança de treinador – Jornal Record

No futebol já nos habituámos a que o treinador, responsável máximo de uma equipa, seja o principal sacrificado quando os resultados não aparecem.

Se por um lado existem clubes que resistem à mudança na esperança de que este consiga alterar o rumo dos acontecimentos, por outro existem clubes que mostram não ter tempo a perder. Sempre que isto acontece, assistimos a uma mudança inevitável e, em muitos casos, previsível.

Este tipo de alterações durante a época, criam também uma mudança imediata no comportamento dos jogadores, que encaram este momento como um novo início, onde os contadores voltam a zero e todos voltam a ter as mesmas oportunidades.

Esta é uma grande janela de oportunidade e de responsabilidade para todos. Se por um lado o novo treinador precisa de mostrar resultados imediatos, razão pela qual normalmente introduz mudanças radicais, por outro lado os jogadores deixam de ter a ‘desculpa’ de que o problema estava no treinador, não lhes restando outra solução senão dar tudo. São duas forças que se juntam e que, bem aproveitadas, podem traduzir-se nos resultados que tantos desejam.

De forma mais consciente ou não, todos vão introduzir alterações na sua postura, há mais dedicação, melhores prestações nos treinos, motivação originada pela novidade, novas rotinas, adaptação ao novo contexto, novas formas de comunicar. O que nos leva a questionar: porque não decidiram antes fazê-lo? Independentemente da resposta, olhar para o futuro como uma nova oportunidade é sempre a melhor solução, e para que isso aconteça é importante não cometer dois erros comuns:

ACHAR QUE O PROBLEMA ESTAVA NO TREINADOR – embora tenha sido o treinador a ser sacrificado, a responsabilidade é de todos e cabe aos jogadores fazerem agora aquilo que não estavam a fazer. Muitas vezes os resultados são o reflexo da atitude e não da competência.

RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO – se não mudar o compromisso de cada um com os objetivos, em breve estarão a viver exatamente a mesma situação. A mudança de treinador é uma segunda oportunidade para todos, e cabe a cada um assumir a sua quota parte de responsabilidade e ser um agente ativo nos resultados.

Susana Torres  –  Coach de Alta Performance